Tarot, uma máquina de imaginar

Empereur_tarot_charles6O Imperador – Tarot de Carlos VI

O Tarot é um conjunto de cartas que deu origem a nossos baralhos tradicionais de 54 cartas mais um coringa. Possui na realidade 78 cartas, sendo 22 Arcanos Maiores e 56 menores, divididos em quatro naipes (ouros, copas, espadas e paus), cada naipe com 14 cartas: um Ás, 9 cartas numeradas de 2 a 10, quatro cartas com figuras: valete ou pagem, cavaleiro, dama e rei. Note que destas quatro cartas, o baralho moderno não tem o cavaleiro e o baralho espanhol não tem a dama, mantendo o cavaleiro.

A palavra arcano significa “conhecimento antigo” e corresponde ao arquétipo da psicologia Junguiana.

Os 22 arcanos maiores estão representados na Tabela I.

Tabela I – Arcanos Maiores

Número

Carta

Número

Carta

0

O Louco

11

A Força

1

O Mago

12

O Enforcado

2

A Sacerdotisa

13

A Morte

3

A Imperatriz

14

A Temperança

4

O Imperador

15

O Diabo

5

O Papa

16

A Torre

6

Os Enamorados

17

A Estrela

7

O Carro

18

A Lua

8

A Justiça

19

O Sol

9

O Eremita

20

O Julgamento

10

A Roda da Fortuna

21

O Mundo

O Louco deu origem ao Coringa do baralho moderno. Aliás, o personagem Coringa, da HQ Batman representa muito bem algumas facetas deste arcano, como veremos mais tarde.

Os Arcanos Menores corresponde aos aspectos da vida prática, divididos em quatro naipes:

Ouros, associado ao elemento Terra, representa a vida material.

Copas, associado ao elemento Água, representa a vida afetiva.

Paus, associado ao elemento Fogo, representa nossa vida social e profissional.

Espadas, associado ao elemento Ar, representa a intelectualidade e os conflitos.

Parece natural associar o naipe Ouros e o elemento Terra à vida material. Copas, por lembrarmos do símbolo moderno do naipe (um coração), também é fácil associar aos sentimentos. O elemento Água é associado aos sentimentos pela sua instabilidade e também porque o mar, uma grande massa de água, é um grande símbolo inconsciente, de onde brotam muitas de nossas emoções.

O Fogo é o elemento das relações sociais porque primitivamente as pessoas se reunião em volta do fogo. Um resquício disso está no churrasco entre amigos. Paus está associado ao fogo porque a madeira é usada para armazená-lo (uma fogueira) ou transportá-lo (uma tocha).

Do mesmo modo é fácil associar o naipe de Espadas aos conflitos, mas é difícil de associá-lo à intelectualidade e ao elemento Ar.

Há uma história de Merlim que pode nos auxiliar:

Merlim certa vez dava facadas no ar, parecendo completamente louco. O jovem Arthur, vendo aquilo, perguntou:

Mestre, o que está fazendo?

Merlim parou a pantomina e olhou sério para Arthur e respondeu:

Estou pensando!

Arthur, com ar pasmado perguntou:

Pensando?

Sim, pensando! – respondeu o velho mestre – Não é assim que vocês pensam?

Merlim com gesto exagerados tentava mostra a seu discípulo a natureza do pensamento. Quando tentamos resolver um problema, o analisamos, dividindo-o em pedaços menores. O conhecimento da Medicina avançou muito, após dissecarem-se cadáveres. Também usamos a divisão quando estamos decidindo algo. Aliás, decidir significa cortar.

O Ar, quando em movimento se torna Vento e o Vento pode se tornar violento, um vento cortante como uma espada.

Os Ases e as Cartas da Corte

Cada um dos naipes é precedido por um ás, que é de fato a carta número um. Aqui número um tem a conotação de ser o principal, ou o melhor dando este significado à palavra ás.

Um Ás anuncia o tema do naipe.

Já as cartas da corte significam 16 tipos de personalidade, associando-se o elemento com a hierarquia e faixa etária da personagem. Os valetes seriam púberes; os cavaleiros, jovens; as damas, mulheres e os reis, homens adultos. Há uma predominância maior no sexo masculino, talvez porque a origem das cartas. As cartas mais antigas são do século XIV, onde a mulher ocupava um posto secundário.

Para atenuar este desequilíbrio, o Tarot Encantado, de Amy Zerner, alterou os pagens para princesas. Assim, seriam oito homens e oito mulheres.

princesacopas

, , , , , , ,

2 Respostas para Tarot, uma máquina de imaginar

  1. Carlos Relva 22 de julho de 2013 at 22:39 #

    Muito bom! Você vai comentar o tarot de Aleister Crowley e o egípcio?

    • Alvaro Domingues 22 de julho de 2013 at 22:54 #

      Obrigado amigo. No momento estou dando uma pincelada geral. Meu Tarot de preferência é o Waite, mas eventualmente poderei falar de outros.

Deixe uma resposta

Desenvolvido por WordPress. Desenhado por Woo Themes